O mestre do Tiro Esportivo

/, Notícias/O mestre do Tiro Esportivo

O mestre do Tiro Esportivo

By | 2018-12-28T15:20:21+00:00 sexta-feira, 28 de dezembro, 2018|Inicio, Notícias|0 Comentários

O encanto pelas armas veio antes da paixão pelo distintivo

O capixaba, Ary Sardella, chegou em Brasília com 20 anos de idade. Jovem e destemido iniciou a carreira na polícia como detetive, depois foi escrivão, cursou direito, e em meados da década de 70, se tornou delegado. Mas, era da infância que ele trazia a paixão por armas de fogo. No interior do Espírito Santo, na cidadezinha próxima a Mimoso do Sul, o garoto adorava acompanhar o pai nas caçadas. O velho Sardella era admirado pelos amigos por sua habilidade com as armas, tinha uma pontaria perfeita. Era comum que capatazes de outras fazendas, e até de outros estados, viessem acompanhar aquelas caçadas, com intuito de aprender com o hábil atirador.

Foi numa dessas visitas de forasteiros, que o molecote Ary ganhou sua primeira arma de fogo de um fazendeiro. O garoto com apenas 13 anos, ficou fascinado pelo espingarda “anti-carga”.  De lá pra cá, o interesse pelas armas de fogo, foi só aumentando. Em 1976, já na capital federal, delegado, conheceu o agente policial, José da Silva Cruz, que o indicou para participar da Federação Brasileira de Tiro Esportivo. “Naquela época, bastava saber manusear armas de fogo para participar da Federação. Foi ele que me deu as primeiras orientações sobre o Tiro Esportivo. Eu nem sabia que existia essa modalidade. Daí pra frente fui estudando, me desenvolvendo, e hoje eu sou instrutor de Tiro Esportivo, além de competidor”, conta o delegado.

Os campeonatos foram aparecendo e, Sardella estava cada vez mais apaixonado pelo esporte. A participação nas modalidades de “Tiro Rápido”, “Pistola Standart”, “Fogo Central”, entre outras, fizeram do delegado Ary Sardella, o mestre entre os alunos e participantes.

Pouco divulgado, o Tiro Esportivo teve sua origem praticamente com a influência militar. Antes, as armas eram usadas apenas para caça e guerra, agora contribuía para surgimento de uma nova modalidade esportiva. O cenário de combates, como as linhas de tiro, serviram de modelo para que fossem realizadas as primeiras competições, que eram realizadas nas posições deitado, de joelhos e em pé. O Tiro Esportivo ganhou fôlego e admiradores, esteve presente nos Jogos Olímpicos desde a primeira edição, em 1896, em Atenas.

Quando se fala em competição, o tema também está muito presente na vida de Sardella. Ele acumula centenas de medalhas de ouro, prata e bronze. São tantas vitórias ao longo de sua carreira como esportista, que às vezes, ele nem vai receber o título. “Pra mim o que importa é o momento em que vivo na hora da competição, a medalha é só um detalhe”, fala de forma modesta.

Segundo o delegado, as técnicas para se tornar um bom esportista, além da prática, envolvem cinco fundamentos: a empunhadura da arma, posição, respiração, visada e acionamento do gatilho. Pra quem for se aventurar a praticar o Tiro Esportivo, fica o conselho do mestre, “é preciso ter muita disciplina, sem ela não é possível aprender, e claro, tem que gostar de armas”, explica Sardella.

Se você se interessou em conhecer mais sobre o Tiro Esportivo, em Brasília é possível ter aulas com o próprio Ary Sardella. Basta entrar em contato com a Federação Brasiliense de Tiro Esportivo – FBTE. http://www.fbte.org.br/

 

 

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário